domingo, 25 de março de 2012

Lista de Presença do 2° #SarauRevolucionário



Créditos de imagem: Fernanda Prestes (@fefisnandinha)
Clique na imagem para ampliar.


Para participar do 2° #SarauRevolucionário, hoje domingo dia 25/03, das 19 às 21h00 no twitter, basta postar um comentário aqui neste post do blog, informando os dados requeridos na imagem.


Ótimo Sarau Revolucionário a todos! Sucessos e muita poesia...


Saudações, @ColetivoRevoluc.

Acompanhe o 2° #SarauRevolucionário no twitter!

(clique na imagem para ampliar)



Aberto o convite para o 2° #SarauRevolucionário - O Sarau das Descoisas. Uma homenagem do Coletivo Revolucionário ao poeta Manoel de Barros.

Para quem não tem twitter e quiser ler o 2°#SarauRevolucionário basta acompanhar aqui nesse link durante o evento: http://twitter.com/ busca: #SarauRevolucionário

O Sarau Revolucionário ocorrerá hoje, domingo, dia 25/03, da 19 às 21h00 no twitter através da hashtag #SarauRevolucionário (pode clicar!).


Abraços, saudações poéticas.


Siga-nos no twitter pelo @ColetivoRevoluc.

2° #SarauRevolucionário!


(clique para ampliar)



Domingo, dia 25 de março, das 19 às 21h, realizaremos a próxima edição do Sarau Revolucionário pelo twitter.

Para participar, basta utilizar a hastag #SarauRevolucionário durante o evento.

Divulgue, comunique-se, interaja...

Abraços poéticos,

Coletivo Revolucionário

É hoje!


No Twitter. Das 19 às 21h.

Amigos poetas e interessados em poesia participem ou acompanhem o sarau. Para isso, sempre use a tag #SarauRevolucionário.

Para participar, é necessário ter conta no Twitter e, a cada verso que postar, teclar a tag #SarauRevolucionário.

Quem não tiver conta e quiser acompanhar, não tem erro: basta ir ao Twitter e teclar #SarauRevolucionário na ferramenta de busca. Assim você estará acompanhando O Sarau das Descoisas!  

  

sábado, 24 de março de 2012

terça-feira, 20 de março de 2012

Convite ao Sarau das Descoisas




Poetas de todo lugar,
Lancemos nossos poemas
Sobre o mundo delirante!
Sopremos aos quatro ventos
A poesia das Descoisas...
Sintam-se já convidados!
Esparramemos sementes,
Fecundemos com poesia
O ventre exuberante
Deste espaço Coletivo,
Fértil a todas as coisas
No devir embrionário.
Será no dia vinte e cinco
Das 7 as 9 da noite,
Do próximo mês de março,
Domingo, hora de Brasília,
No Twitter, hashtag
#SarauRevolucionário


                                                               Mara Medeiros

segunda-feira, 19 de março de 2012

Colored

Vai andando acompanhado
Passos lentos ele tem
Talvez por sua filha
O braço dá, outro braço convém
Estão pela calçada, o trânsito flui rápido
Eles passo a passo
Em sua negra elegância
De azul as calças
De verde camisa
Vistosas como o sol
É negro sapato
É negra a cor do seu dono
Acompanha a talvez filha
A cor certa do talvez pai
Um marrom brasileiro
Andando devagar
Devagarando
Em uma rápida manhã azul




Toninho Araujo

quinta-feira, 15 de março de 2012

De Noite



(Ilustração Rogério Fernandes)


De vez em quando

Quando anoiteço

Me esqueço aqui

Nas horas tantas

De se escrever

Ouço o cantar

Dos meus quereres

E danço solta

Pelas palavras

Que o mal dizer

Me impulsiona

A musicar nesse silêncio

De apagar tantas estrelas

Que outrora as tive

Dentro de mim...


Lai Paiva


quarta-feira, 14 de março de 2012

Com o verso


Poderia dizer que no berço fazia versos.
Poderia, mas mentira seria.
Os versos não nasceram comigo:
Nasci sem roupas nem palavras,
emitia primitivos grunhidos de bebê
que nem de longe lembravam versos.

Estes me foram apresentados
e novamente mentiria se lembrasse
quando e por quem.
Estavam lá e onde eu também estava.

Não me causaram efeito imediato.

Mas um dia, cansado já de saber que
existiam,
percebi que poderia fazer do verso ponte
entre eu e você e todo mundo além.
Gostei. Você gostou também.
Acredito que as pessoas mais afáveis
não consideraram a experiência
desagradável.

Assim sou e estou: o poeta enfim nascido
com o verso ao lado;
com o tempo, seu fado, que está contra ele
porque faz o único caminho possível
para o dia ou noite em que irá desaparecer.

Iletrado nasci, poeta não.
O ser da palavra que me fiz, este sim,
brincava com os versos em seu berço.

Outra dinâmica minha extinção possui:
morta a pessoa, o poeta é morto.
Carregará consigo um verso derradeiro
nas pontas de grossos e já frios dedos
e nos olhos de quem o leu.

Alessandro de Paula
@palavratomica

terça-feira, 13 de março de 2012

sábado, 10 de março de 2012

"O que eu preciso fazer para participar dO Sarau das Descoisas?"

Para ver esta arte em tamanho maior, clique sobre ela.
Pois é, o 2º Sarau do Coletivo Revolucionário no Twitter está mais perto.

Dia 25 de março, domingo, das 19h às 21h, é a hora do

SARAU DAS DESCOISAS

Para participar, basta:

- Ter uma conta no Twitter.
- Estar online no horário marcado.
- Usar a hashtag #SarauRevolucionário e, então,
- Postar seus poemas, versos ou fotopoemas. 



Abraços de revolução que vem! 

sexta-feira, 9 de março de 2012

Convite ao Sarau das Descoisas

Arte: Leonardo Valesi Valente.
Para desCoisar, basta desPir o véu do anonimato.
Dia 25, do mês de março, entre as 19h e as 21h,
Venha desConstruir, desMitificar, no Twitter participar.
O Sarau das Descoisas não tem regra, é livre, basta - para desCoisar - publicar com a hashtag #SarauRevolucionário e revolucionar!
 
 Plínio Alexandre dos Santos Caetano
@pliniocaetano23

quinta-feira, 8 de março de 2012

Às mulheres

Para todas as damas, deixo o meu mais sincero respeito.
Para todas as mulheres, deixo as minhas mais profundas felicitações.
Toda a delícia e a dor da sensibilidade, da maternidade, do egoísmo pelo sentimento.
A mulher é este monumento, incerto, impreciso: perfeito.

É a portadora do dom maior.

Sabe perdoar.

Sabe odiar.

Sabe viver, para além do intensamente.

Como poderia, então, neste dia 8 de março, não lhe parabenizar?

É apenas um dia.

Em tantos do ano... Mas é o seu dia.

Feliz Dia das Mulheres! 


Plínio Alexandre dos Santos Caetano
@pliniocaetano23

domingo, 4 de março de 2012

Sarau das Descoisas

bem-te-vi
bem-te-voa
que a proposta é muito boa
bem-te-voa
bem-te-vi
descoisar, descontruir
bem-te-vi
bem-te-voa
não passe o domingo à toa
bem-te-voa
bem-te-vi
deixa a poesia fluir
bem-te-vi
bem-te-voando
aproveita que está chegando
bem-te-voa
bem-te-voou
o primeiro sarau já passou
bem-te-vi
bem-te-revoada
#SarauRevolucionário
segunda versão sintonizada
com a poesia das descoisas
bem-te-vi
bem-te-voa
convida a todos
de lá e daqui
voa, 
bem-te-vi!

                                                                                
                                                                             Mara Medeiros
                                                                            @MaraMacrimed

O Sarau das Descoisas

(clique na imagem para ampliar)



#SarauRevolucionário: "O Sarau das Descoisas", em homenagem ao poeta Manoel de Barros, em breve!

Evento promovido pelo Coletivo Revolucionário no twitter.


sábado, 3 de março de 2012

Em março, haverá poesia novamente.

Para ampliar, clique sobre a imagem.

Em breve, mais informações sobre o evento. Mas, de antemão, contamos com a participação de todos. É fácil: basta ter uma conta no Twitter e postar seus poemas originais usando a hashtag #SarauRevolucionário durante o evento.

Saudações dos poetas deste coletivo aos amigos leitores!

Coletivo Revolucionário 

As dores que sinto



Sinto um misto de dor, de tristeza, de ânsia.
O estômago embrulha ao simples suspiro nestes pensamentos.
Queria ser, não fui. Quis poder, não conduzi.
As dores, que agora sinto, são passageiras: bem o sei.
Mas as cicatrizes deste mundo dos sentimentos, são eternas.


Plínio Alexandre dos Santos Caetano
@pliniocaetano23

Desarranjo





mundos que somos todos
de uma angústia impenetrável
deixamos partes de nós tais sementes
que viajamos sem mesmo saber como


voltamos aos dias que nos lembramos sidos
perdemos as asas de nossos sonhos
quando abrimos janelas para o medo entrar
e somos os outros que desejamos de perto


coloco no centro da minha palma
a alma que tomo neste dia velejado
fui caminhando de olhos fechados
cheguei perto do silêncio revelando-me a verdade


crua é a sina de quem ama solitário
o desencontro mora no brilho que não recebe para si
há delicadamente dor e não invade o poema a ser escrito
permanece no afeto que morreu na véspera




quinta-feira, 1 de março de 2012

AUDÍVEL

Revido a dor com o silêncio
que rasga o ar em ecos.
Tudo parece absurdo!
Ouço os ruidos da voz que oculto.
Escuto sussurros do não-dito
e isso me machuca, carne e espírito.
E continuo silêncio.
É a vida me dilacerando de novo.



Marília Sarmento
@mah_sarmento