terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Era uma vez a praia





O mar, aberto ao olhar, lambeu meus lábios.
Sua saliva salgada lavou meus pensamentos.
Seu toque gélido, encoberto por finas gotas chuvosas, arrepiou-me os sonhos.
O mar, fechado em seu recanto de beleza, me trouxe cor.
A voz, rouca pelo vento, mal pode expressar.
As ondas quebraram, devoraram, sumiram...
E a serra deixou para trás aquela monotonia: a vida sempre continua.



Plínio Alexandre dos Santos Caetano
@pliniocaetano23

4 comentários:

leovalesi disse...

Plínio, essa maré que te re.trouxe aqui aumentou a força do Mar. As palavras expandem a poesia numa torrente de gravitações líricas. A sua escrita continua.

Anônimo disse...

Plínio, sim, a vida sempre continua, como as palavras, que sempre se renovam na sua poesia. Beijos mil.

Lai Paiva

Plínio Alexandre dos Santos Caetano disse...

Obrigado pelos comentários carinhosos meus amigos! =)
E que a maré da vida nos leve sempre, a todos os lugares!

Mara Medeiros disse...

Mergulhei!