domingo, 27 de novembro de 2011

Amigo Estrangeiro




Tens um sorriso
Que muito pouco te mostras
Sei de longe
Que resguardas
Afago no meio dos olhos
E traz às mãos
Um embalo de vida
Para não se esgotar

Levas adiante
O sonho que entorta
Os caminhos de tuas fronteiras
Entre memórias e esperança
De ternuras sem ter fim
Sabes que no dia
Tens de seguir os mistérios
Que aprendestes a guardar
No coração



5 comentários:

Hugo Bessa disse...

Há uma sutileza remendada na saudade e colocada nesses versos, Bela Poesia ! ^^

Anônimo disse...

Leo, que relação de amor tão íntima tens com as palavras. Presente ler-te, meu querido! Beijo meu.
Lai Paiva

leovalesi disse...

Oi Lai, seu olhar ajuda a firmar esse lugar. Obrigado por doar o que te melhora: palavras lindas.

Alessandro disse...

Cultivemos os mistérios guardados no coração. Com belos versos como estes e com tantos outros mais.

Abraço, Leo!:)

Leonardo Valesi Valente disse...

Cultivemos, pois nossas palavras trocadas nos lançaram até lá. Vamos cultivando para os mistérios dessa alegria com a escrita. Nossa dádiva e salvamento.
Abraços Alessandro!!!